Parkinson: sinais que podem indicar a doença além dos tremores

sinais-doença-parkinson-morada-primavera

O Parkinson é a segunda maior doença neurodegenerativa do mundo, onde cerca de 6,3 milhões de pessoas são afetadas, lembrando que essa doença é comum em pessoas com mais de 65 anos. 

A princípio, no Brasil, de acordo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) 200 mil pessoas têm Parkinson

Todavia, é muito comum associar os tremores de um indivíduo ao Parkinson, sendo esse o sintoma mais conhecido popularmente, porém, essa doença vai muito além dos tremores sendo que a lentidão dos movimentos (brandicinesia) é o principal indicador.

Veja nosso artigo e saiba mais sobre os outros sinais importantes. 

O que é a doença de Parkinson e quais os sinais que devemos ficar atentos?

O Parkinson é considerado uma doença neurodegenerativa, ou seja, é uma patologia neurológica crônica e progressiva.

Ela faz com que a produção de dopamina diminua e esse neurotransmissor envie as mensagens para algumas partes do cérebro que são responsáveis pelo controle dos movimentos e coordenação.

Por isso, quando há a falta de dopamina a coordenação motora fica comprometida e ocorrem os tremores, quando há os dois sintomas em um indivíduo pode indicar Parkinson.

Além desses sintomas motores essa doença também apresenta rigidez nas pernas e braços e instabilidade postural.

Existem também os sintomas não motores, tais como:

  • Alterações cognitivas: problema de memória, perda de noção de espaço, falta de atenção, alucinações e até psicose;
  • Alterações de humor: alta irritabilidade, ansiedade e depressão;
  • Constipação: como o resto do corpo acaba perdendo comprometido, o trato intestinal também sofre com a falta dos neurotransmissores, o que pode gerar desconfortos abdominais.
  • Hiperidrose: suor excessivo, inclusive nos pés e nas mãos;
  • Distúrbio do sono: o sono dos pacientes que possuem Parkinson fica mais agitado, onde a pessoa se mexe muito durante a noite, ou em alguns casos acaba ocorrendo à insônia (falta de sono);
  • Diminuição Olfativa: o indivíduo não consegue mais sentir cheiro e tem o paladar alterado. .

Diagnóstico e tratamento de Parkinson

Infelizmente, não existe um exame específico para diagnosticar a doença de Parkinson e isso dificulta um pouco o trabalho dos especialistas.

De fato, é importante que haja uma avaliação neurológica, primeiro, que irá analisar os sintomas e pedir alguns exames para chegar ao veredito da doença como, por exemplo, cintilografia cerebral e ultrassonografia transcraniana.

A doença de Parkinson não tem cura, mas, não é fatal, o que pode levar uma pessoa a óbito são outras enfermidades em decorrência a ela.

Ou seja, quando um indivíduo possui é necessário que haja uma estrutura para que ele possa conviver da melhor forma possível e não entenda que aquilo é uma sentença de morte.

Melhore a qualidade de vida do seu ente com Parkinson no Asilo em São Paulo Morada Primavera

O Residencial para idosos em São Paulo Morada Primavera possui uma equipe de profissionais especializados em idosos.

Também treinados para cuidar de que seu ente querido tenha uma ótima qualidade de vida com todo carinho e atenção que ele precisa e merece.

Quer saber mais sobre como podemos ajudar o seu ente e sua família? Entre em contato conosco, agende uma visita para conhecer nossa estrutura e filosofia.

Casa de Repouso Morada Primavera

Casa de Repouso Morada Primavera

A nossa Morada Primavera é uma Casa de Repouso localizada em São Paulo, com estrutura pronta para receber seu familiar. Contamos com uma equipe profissional, qualificada e atenciosa para melhor atendê-lo. Temos Enfermagem 24h, Acompanhamento Médico, Nutricionistas, Terapeuta Ocupacional

Conheça nossa casa de Repouso!

Veja também:

Cardiologista

Quando procurar um cardiologista?

Toda e qualquer pessoa deve se consultar com um médico rotineiramente, e à medida que a terceira idade se aproxima, o envelhecimento cardiovascular avança. Logo,

Fechar Menu
WhatsApp Agende sua visita!